Assistir Hellboy

Comentário: O remake de “Hellboy” não pode salvar-se da danação

“Hellboy” (2019) de Neil Marshall tem a sensibilidade estética de um tema quente: é barato, insincero e lembra outros lugares que você prefere estar e outros filmes que você prefere ver.
A reinicialização de Marshall segue a duologia superior “Hellboy” de Guillermo del Toro, que capturou a intensidade arrepiante e cheia de pavor dos quadrinhos de Mike Mignola. Mesmo quando a escuridão se aproximou e o mal ficou mais forte, ainda havia uma beleza misteriosa no mundo de del Toro: terrores escamosos, cthuloid e verdejantes, behouths envoltos em videiras evocavam pena tanto quanto repulsa.

Hellboy (David Harbor), um demônio invocado pelos nazistas, está crescido. Depois de emergir do Inferno no final da Segunda Guerra Mundial, o diabo corpulento foi adotado pelo professor Broom (Ian McShane), conhecedor do folclore. Seu pai adotivo o treinou e o introduziu no Bureau de Pesquisa e Defesa Paranormal, um tipo de FBI para combater amigos de contos de fadas.

Depois de décadas na equipe, ele se encontra com a médium Alice Monaghan (Sasha Lane) e o menino-gato Ben Daimio (Daniel Dae Kim) para destruir a temida Rainha de Sangue Nimue (Milla Jovovich).
A infantilidade invade o filme, e a relação de Hellboy com Broom sofre por isso. Enquanto os quadrinhos e a adaptação de del Toro mostravam um estudioso gentil cujas maneiras superprotetoras irritavam seu filho demoníaco, o reboot injeta em Broom um machismo desbocado. McShane passa muito do seu tempo na tela exasperado, amaldiçoando uma tempestade como uma estrela de ação dos anos 80 descontente. Ele só precisaria de um tapa-olho e um charuto cinza para completar a imagem.

O Hellboy do Harbour não se sai muito melhor. Parece que décadas de vida na terra não curaram sua petulância juvenil. Cena após cena, ele geme e grita, convulsiona e geme até que outro arauto da destruição aparece para ele acertar. Ah, e ele brinca: muitas vezes e com infeliz confiança – poucos de seus gracejos idiotas valem um sorriso.
Os quadrinhos “Hellboy” funcionam melhor como contos: explorações concisas entre as culturas de mágicos, monstros e outras ameaças fantásticas. A primeira metade do filme nos arrasta de local em local, pontuando cada investigação com uma batalha sangrenta e evocando brevemente aquele sentimento que Mignola sempre evocou.
Mas designs de personagens repetitivos e CGI de má qualidade conspiram para tirar os poderes das feras. Algumas criaturas lembram arte conceitual rejeitada de “O Senhor dos Anéis”, enquanto outras caberiam confortavelmente em um PlayStation 2.

Apenas Baba Yaga (Emma Tate e Troy James), com seu andar “Exorcista”, rosto distorcido e necessidade grotesca de se alimentar de dedos de criança, captura a mistura atraente de terror bobo dos contos de fadas. Mas sua presença é curta e vestigial – ela sugere sequências e desaparece.

Os adversários de Hellboy se confundem em uma mistura lamacenta de carne e garras. Eles não são assustadores nem simpáticos, embora o filme faça tentativas passageiras de mostrar os humanos como opressores e os monstros como oprimidos. Nimue pergunta repetidamente por que Hellboy explode alegremente seu companheiro animal. É um conflito que Hellboy e só Hellboy lutam para resolver. Para o público, é outra pergunta com uma resposta fácil. Eles são maus – todos eles; claramente, cacarejantemente, um mal que rasga a carne.

Nimue quer vingança por meio de uma praga que erradica a Inglaterra. O híbrido homem-javali Gruagach (Stephen Graham) quer matar Hellboy por indiscrições do passado. Baba Yaga quer recuperar seu olho roubado. Os jogadores principais, irritados com Hellboy ou a humanidade, querem justiça, mas os crimes contra eles foram cometidos por direito. Antes de serem mortos, banidos ou mutilados, cada um era um assassino ou ladrão. Não há nada complicado sobre esse bando alegre de maníacos genocidas.

Muita coisa é comprimida em um único filme – alguns personagens relevantes para a tradição aparecem por breves momentos, e outros estão totalmente ausentes. Esta condensação vem da escolha do escritor Andrew Cosby de comprimir vários arcos “Hellboy” tardios. Partes de “The Wild Hunt”, “The Corpse”, “Darkness Calls” e “The Storm” surgem de formas insatisfatórias e muitas vezes incompletas. E ao escolher histórias posteriores, Cosby perde anos de acumulação em favor de ir direto às coisas boas.

Dos chifres aos cascos, “Hellboy” (2019) tenta ser um heavy metal, rock and roll, fodão, bom momento. Mas um elenco talentoso, um diretor capaz e uma classificação R libertadora não podem levar esse demônio à salvação.

Veja também: X-Men Fênix Negra Assistir Online Grátis

Assistir Hellboy

3 thoughts on “Assistir Hellboy

Leave a Reply

Scroll to top
error: Content is protected !!
%d bloggers like this: